domingo, 13 de novembro de 2011

Governo lança plano estratégico e cria Secretaria de Estado de Turismo

Da Agência Pará


Com o objetivo de fortalecer o segmento turístico, o Plano Estratégico de Turismo do Estado do Pará, denominado “Ver-o-Pará”, foi lançado pelo governador Simão Jatene e pelo presidente da Companhia Paraense de Turismo, Adenauer Góes, na noite de sexta-feira (11), no Teatro Maria Sylvia Nunes, na Estação das Docas. Na presença da secretária Nacional de Políticas de Turismo, Isabel Mesquita, e de diversas autoridades estaduais e municipais, o governador também assinou um Termo de Compromisso para criação da Secretaria de Turismo do Estado do Pará.

“Hoje, ao apresentarmos esse plano estratégico para o turismo, temos a oportunidade de vermos nosso potencial e também nossos desafios. Ao assinar a criação da Secretaria de Turismo, não faço simplesmente para criar mais um órgão, e sim para que seja um instrumento concreto de viabilização do turismo neste Estado. Agora o projeto de lei será encaminhado à Assembleia Legislativa, e não tenho dúvida que, de forma rápida e eficiente, os parlamentares deverão aprová-lo”, afirmou o governador.

Resultado de um trabalho realizado pela Companhia Paraense de Turismo (Paratur), com a consultoria da empresa espanhola Chias Marketing, Adenauer Góes destacou que o plano “Ver-o-Pará” surge como norteador das políticas públicas voltadas ao desenvolvimento e fortalecimento do turismo paraense, como ferramenta de geração de emprego e renda e melhoria da qualidade de vida dos que estão ligados direta e indiretamente a essa cadeia produtiva.

3 comentários:

Gilberto Alvarenga disse...

Criara mais uma secretaria de palhaco,,, o turismo e super importante para o desnvolvimento do Estado do Para. Mais foi criado diversos micro regioes de turismo,, particularmente nao vi nem um tipo de resultado para economia do estado.. entao agora se criar mais uma secretaria para gerar gastos.. porque nao viabilizar a paratur ,, qualificaram.... o Turismo no para ate o momento e uma industria falida... muito caro se locomover dentro do estado,, muito caro se locomover dentro do brasil.. muito caro se hospedar.. o para e lindo mais a politica de turismo nao e uma politica para os paraenses e tambem no custo e valorizacao do real nao e um politica atrativa para os gringos,, eles tem um turismo mais barato na asia...

Marajoara disse...

Realmente este plano é um avanço considerável ao desenvolvimento turístico do Pará. Contudo, vale ressaltar a importância de que a gestão da nova secretaria não obedeça unicamente a critérios políticos, mas que também integre os profissionais que passam anos na academia estudando novas maneiras de gestão do turismo, bem como seus benefícios e consequências: os turismólogos. Outra questão que merece comentário é a contratação de uma consultoria estrangeira: consultores possuem experiência na implementação de planos, entretanto, não possuem a capacidade de abranger as complexidades do local de execução dos mesmos - o que pode somar-se ao despreparo daqueles que darão prosseguimento aos trabalhos iniciados quando a consultoria encerrar suas atividades. Portanto, se não queremos repetir os insucessos de destinos que não ponderaram fatores aparentemente distanciados da questão turística, na implementação de seus planos, devemos atentar a elementos que podem estar sendo negligenciados em favor de resultados em curto prazo... a absorção de mão de obra local como medida de redução da criminalidade é uma variável imprescindível, pois se os turistas tiverem seus objetos furtados com a frequencia com que nós, paraenses, temos nas ruas de Belém, o principal resultado deste plano será a fama internacional de estado mais perigoso do Brasil!

Marajoara disse...

Realmente este plano é um avanço considerável ao desenvolvimento turístico do Pará. Contudo, vale ressaltar a importância de que a gestão da nova secretaria não obedeça unicamente a critérios políticos, mas que também integre os profissionais que passam anos na academia estudando novas maneiras de gestão do turismo, bem como seus benefícios e consequências: os turismólogos. Outra questão que merece comentário é a contratação de uma consultoria estrangeira: consultores possuem experiência na implementação de planos, entretanto, não possuem a capacidade de abranger as complexidades do local de execução dos mesmos - o que pode somar-se ao despreparo daqueles que darão prosseguimento aos trabalhos iniciados quando a consultoria encerrar suas atividades. Portanto, se não queremos repetir os insucessos de destinos que não ponderaram fatores aparentemente distanciados da questão turística, na implementação de seus planos, devemos atentar a elementos que podem estar sendo negligenciados em favor de resultados em curto prazo... a absorção de mão de obra local como medida de redução da criminalidade é uma variável imprescindível, pois se os turistas tiverem seus objetos furtados com a frequencia com que nós, paraenses, temos nas ruas de Belém, o principal resultado deste plano será a fama internacional de estado mais perigoso do Brasil!