quarta-feira, 7 de maio de 2008

Crônica de 4ª feira - Descendentes vitoriosos

Miguel Oliveira
Editor-Chefe

Não pude comparecer à solenidade de entrega do prêmio de Empresa do Ano conferido pela Associação Comercial e Empresarial de Santarém(ACES) ao Grupo CR, na última sexta-feira, mas há um fato que queria registrar de bom grado sobre aqueles que multiplicaram o que seus pais lhes legaram.
Antes que algum apressadinho interprete este texto como merchandising em favor dessa rede de supermercados, faço questão de explicar que, em que pese as relações comerciais que ligam este jornal ao Grupo CR, são reminiscências de minha infância o mote dessa crônica de quarta-feira.
Assim que retornei a Santarém, há cerca de 10 anos, como de costume, fui tomar um café com seu Cezar Ramalheiros, o pai. Nem me dava conta que a sociedade com o Sílvio tinha tido desfeita.
Hóspede de um hotel no centro avisei ao recepcionista que iria à padaria Progresso. Ele olhou-me mesmo que desconfiado e sussurrou:
-Agora é CR. Mudou de nome. O senhor precisa se atualizar.
Pus-me a caminhar pela Avenida Rui Barbosa e dobrei no canto - esquina para a maioria - da travessa dos Mártires. Logo alcancei a Galdino Veloso. Lá estava uma placa com os dizeres Panificadora CR. Mas observei no outro canto um detalhe me chamou atenção: o vistoso prédio do laboratório do Celso Matos, outro exemplo de filho que multiplicou o pouco ou o muito que seus pais lhe legaram em vida.
Mas logo fui notado, ainda na calçada, por Dona Alaíde:
- Meu filho, que surpresa. Soube que estás de volta à nossa cidade.
E com seu jeito alegre e falador dona Alaíde apontou em direção ao caixa, que mais parecia uma redoma:
- Lá está no Cezar, fala logo com ele.
Após os cumprimentos e as brincadeiras de praxe, não contive a curiosidade de perguntar sobre mudança de marca. Sabia que seu Cezar não gostava de falar sobre a partilha da antiga sociedade, mas ele naquele dia me surpreendeu-me com uma explicação contida.
-Estamos muito melhor agora. Precisas visitar o nosso CR da Cohab. Quem vive de passado é museu, ora pois!
Em meio ao atendimento de clientes que procuravam lanche àquela hora do dia, disse ao seu Cezar que seríamos vizinhos, o que acabou ocorrendo por quase quatro anos. Perguntei por Antônio Joaquim, meu colega de Dom Amando e por Cezarito, colega de meus irmãos Airton e Ana Maria.
-Antônio Joaquim está em Curuá-Una, mas o Cezarito é quem comanda agora o grupo Cr explicou, orgulhoso, seu Cezar.
Com o passar do tempo pude comprovar a evolução dos negócios dos filhos de seu Cezar enquanto, com tristeza, constatei que outros grupos empresariais familiares tinham ou estavam indo à bancarrota.
Cezarito ousou, acreditou no potencial de Santarém. Arriscou, inovou, esteve à frente de uma nova geração de empresário. Sua visão de futuro e o tino comercial de sua esposa Sônia fizeram que este casal imprimisse ao Grupo Cr a marca do sucesso.
Por isso, na oportunidade em que o Cezarito e Sônia recebem por seu Grupo CR o título de Empresa do Ano, faço com justiça esse registro de uma família que, em segunda geração, soube multiplicar os bens, ao contrário de muitos que dilapidaram a herança financeira e comercial que receberam de mão beijada de seus pais.
--------------
P.S: Viagens contínuas e declaração de imposto de renda da família inteira foram os motivos da ausência deste cronista nas duas últimas semanas.

Um comentário:

Olavo das Neves (Presidente da ACES) disse...

Sinto especial orgulho de expressar neste momento sentimentos que certamente não são somente meus, pois todos aqueles que possuem alguma relação mais aprofundada com a cidade de Santarém tem seu brio tocado por esta história.

O grupo Cr, esta instituição comercial hoje homenageada, ratifica a cada dia aquilo que derivou de um sonho, mas que sua história confirma.

Meio século de existência, meio século de investimentos aqui!

A história deste grupo empresarial é seguramente exemplo e motivo de orgulho para todos nós.

A união pelo sucesso da família é uma marca muito especial de seus fundadores, sendo o que até hoje norteia o grupo.

Dona Alaíde Ramalheiro que nos brinda essa noite com sua presença, e o Sr. César Ramalheiro patriarca da família (hoje em memória) estão de parabéns, pois a semente plantada há meio século deu origem a uma frondosa estrutura; perene, coesa, e que hoje encontra no seio da família Ramalheiro todo cuidado e atenção necessária para romper muito mais gerações.

Mas acompanhar a evolução dos tempos não é fácil, e é por isso que o grupo CR busca aliar a experiência vivida ao conhecimento científico. E o resultado?

Uma extraordinária visão futurista e mais sucesso!

O orgulho que o Grupo Cr tem em expressar seu amor por Santarém está presente nos detalhes. “ORGULHO DE SER SANTARENO”, já diz seu slogan.

Dona Alaide, Queridos César e Sonia , Família Ramalheiro, Colaboradores deste grupo aqui presentes.
Parabéns!
Pois vocês, que fazem parte desta história são verdadeiramente um orgulho para nós santarenos.
Vamos aplaudi-los!

(Texto de saudação ao Grupo Cr proferido por Olavo das Neves, presidente da ACES, na noite de homenagens realizada no último dia 02/05/2008)